sexta-feira, maio 27, 2005

Volte-Face


Numa tentativa de recriar uma Orpheu em pleno século XXI, aproveitando os meios actuais, nasceu a Volte-Face, uma revista/álbum de poesia realizada pelo projecto de intervenção poética »PIM! (faz-vos lembrar alguma coisa?), da Associação Cultural Conflito Estético, numa hábil mistura de Poesia e artes do design experimental.
Segundo a própria associação, este é “um espaço de acerto, cogitação e desvio acerca dos valores, mentalidade(s) e das relações de poder subjacentes ao meio social, cultural, económico, político e relacional circundantes.” Os objectivos a que se propõem e ideias defendidas fazem em tudo lembrar a já referida revista do início do século XX e a mesma insatisfação que Almada de Negreiros, já no seu Manifesto Anti-Dantas e por extenso bradava ao País. Porque se está num estado de passividade e se quer mudanças. Rapidamente.
Estas ideias são logo ditadas no editorial: “O eterno conflito está por resolver naqueles que ruminam em torno da revolta e nos que aceitam subtrair-se à resolução do mesmo, resignando-se àquilo que está determinado pelo interesse dos outros.” O manifesto continua afirmando que se está num estado de letargia, quando o se quer é “pão e circo” e nada mais interessa. Surge então aqui o Volte-Face. Quer-se chamar a atenção para o estado das coisas e agitar as águas, tornando-se imperativo que todos e cada um de nós o façam no dia-a-dia, com a revista a ocupar o papel de despertar das mentes.
A revista aparece assim com uma distribuição exclusiva em Lisboa (excepção feita para os internautas que a podem encomendar), de 5 mil exemplares e com uma qualidade de impressão e acabamento impressionantes, o que nos chama à atenção de que um bom apoio (neste caso da Câmara Municipal de Lisboa) ajuda sempre a elevar os nossos ideais. Divide-se em cinco actos, a que lhes antecede um prólogo e termina com um natural epílogo.
Com os poemas completamente a cargo de Sara Évora Ferreira e J. C. Jerónimo, a revista vai evoluindo sempre com temas actuais e naturais desabafos com o que de mal se passa nos nossos dias, em que o poema “A cobra institucional” é apenas um sugestivo exemplo. O design cabe a Carlos Cavaco e Dinis Simões, que conseguem aliar de forma original os poemas à parte gráfica, tornando a revista muito cativante e (ainda) mais agradável de ler.
Para aqueles que se interessam não só por poesia, mas também por design, a Volte-Face é altamente recomendável e verdadeiro objecto de colecção.

Pode ser encontrada em várias livrarias alfacinhas, mas também em " www.volte-face.conflitoestetico.com ".

in Rua de Baixo

Sem comentários: