segunda-feira, novembro 28, 2005

DJ Deev com dAnCE DAMage+SSTFM

(CLICA NO FLYER PARA MAIOR DEFINIÇÃO)

Difere: de Santarém para o mundo...urbano


Entrevista realizada a Artur Casaca, fundador e director da Difere, Skater, Dj e promotor de eventos.

A DIFERE é inicialmente publicada como sendo uma revista sobre skate. A estrutura actual equilibra-se dentro de toda uma cultura urbana.
Esta nova abordagem deve-se à intrínseca relação do skate com toda a cultura dita urbana?
AC- Sem dúvida, pois o skate enquanto actividade de rua é um dos principais elementos da cultura urbana, assim como, por exemplo, o graffiti. Apesar dos membros da equipa, na sua génese, paralelamente terem participações activas e grande interesse noutras artes interligadas como música, moda, ou outros desportos como o snowboard, a ideia inicial era uma publicação que focasse essencialmente o skate num ângulo desportivo com ligeiras abordagens ao estilo de vida e cultura inerentes. À medida que, na prática, começámos a desenvolver a DIFERE, da interacção e do aprofundamento do movimento que retratávamos, ganhámos sensibilidade e compreensão da ligação entre este e a arte, a música ou a sétima arte. Este posicionamento é tão natural que antes desta consciência a DIFERE já tinha um público/comunidade com os interesses que agora apresentamos em cada número.

‘DIFERE’, de ser diferente?
AC- Em grande parte sim. Uma perspectiva diferente. Como reacção e como resultado do meio de onde provém e se destina a DIFERE. Facto evidente é que uma das edições da grande revista “V” sublinhava com observação de que a história da moda deste movimento é a anti-moda, e assim consequentemente e continuamente DIFEREnte.

A DIFERE aposta fortemente no design, estando esse trabalho a cargo de alguns dos mais conhecidos designers. Tem sido uma aposta desde o início do projecto?
AC- Sendo a publicação representativa de pessoas dinâmicas e sensíveis à arte, naturalmente que o design é uma das fortes componentes. Intencionalmente ou quase por acaso, a DIFERE sempre foi “abençoada” por notáveis designers. Os designers que maior protagonismo tiveram foram os do atelier RMAC que até tiveram o mérito de terem conseguido três importantes prémios de design. Mas há mais destaques, como termos começado a DIFERE inspirados na filosofia de um grupo selecto de revistas como a “Flaunt” e um dos colaboradores iniciais, o Carlos Quitério, estar a colaborar com essa revista figurando ao lado dos maiores nomes internacionais. A propósito das colaborações de design o premiado criativo José Ricardo Cabaço, que entre outros cargos criativos comanda o marketing europeu da Nike, afirmou em entrevista pública, num importante jornal nacional, que se voltasse a Portugal desejava trabalhar com Ricardo Mealha e Carlos Quitério, os dois nomes que aqui se enaltecem pela sua colaboração com a Difere. Protagonismos notáveis fazem a DIFERE e não se restringem apenas ao design como noutras contribuições que tivemos, seja exemplo a música, em que tivemos a contribuição do Mc Ace dos Mind da Gap ou o João Marques dos Fonzie, entre outros.

Todos que nela participam são skaters?
AC- A equipa principal é formada por pessoas que não só retratam, como vivem intensamente todo o movimento que retratam e o mesmo alarga-se à maioria dos colaboradores em que, por exemplo, temos notáveis músicos a falar de música ou notáveis artistas a entrevistar outros artistas.

Existem reportagens de eventos tanto em Ovar, como Leira, Lisboa ou Porto. A DIFERE desloca-se sempre às localidades, ou também já há um feedback por parte dos vossos leitores que vos enviam material informativo?
AC- Sucedem ambos os casos. Os nossos leitores são pessoas activas. No passado até houve um que se antecipou a nós ao conseguir entrar na gráfica e aceder à revista antes de nós, comunicando-nos um balanço do resultado da mesma! Temos sempre iniciativas de reportagens/artigos a desenvolver mas é uma “festa” quando os nossos leitores se envolvem connosco no processo de edição. Neste processo é das coisas mais gratificantes que podem acontecer e que nós incentivamos e apoiamos.

Periodicidade?
AC- A revista DIFERE procura atingir a periodicidade de saída em cada edição de 45 em 45 dias. Para notificação de saída de cada edição os interessados poderão enviar um email com os dados pessoais para difere@difere.com ou subscrever o Boletim (newsletter) no site www.difere.com

Onde adquirir?
AC- De norte a sul, nas melhores lojas da especialidade e em todas as bancas, incluindo ilhas.
Últimas palavrasAC- Quero aproveitar para reconhecer o grande trabalho e contributo de Gabriel Borges Tavares e Carlos André Pereira nos momentos conturbados porque a DIFERE passou – eles tem sido os alicerces. Um agradecimento também à Sara Dinis pela ajuda nesta entrevista e à Margarida Girão que já é parte desta “máfia”. Antes do final do ano, em conjunto com um conhecido fotógrafo, deverá haver em Lisboa mais uma grande festa DIFERE, só que esta com um cariz semi-privado, e também antes do final do ano deverei arrancar com umas noites regulares a culminar com um pequeno festival numa discoteca em Santarém, de onde sou natural. A todos os que tiverem interessados em ir a qualquer um destes eventos basta enviar email a manifestar interesse.

Entrevista realizada por amostra.mgoffline.com



terça-feira, novembro 22, 2005

So Happy In Paris?


“Music, Party, Spirit”.
Este é o conceito por detrás do espectáculo que já correu muitos países e que finalmente vamos poder assistir em Portugal. Criado em 2000 por Michaël Canitrot, pretende ser uma celebração da música. Através de uma escolha bastante eclética de temas por parte do DJ Michaël Canitrot e uma sedutora vocalização feminina, “So Happy in Paris?” apela ao glamour francês dos cabarets e adiciona-lhe uma nova frescura através da música electrónica actual.
Mentor e impulsionador do projecto, Michaël Canitrot é um dos mais respeitados produtores/djs/promotores de Paris. Com um passado ligado ao mundo do espectáculo, Canitrot conseguiu implementar uma ideia inovadora de show, especialmente concebido para discotecas. Depois de ter conseguido implementar-se em Paris, Michaël já levou “So Happy in Paris?” a dezenas de cidades francesas e europeias, onde se destaca a passagem pelo Festival de Cannes e as actuações em Ibiza e Miami.
Dia 30 de Novembro, no Nuts em Cascais.
Se quiserem descobrir mais um pouco sobre a música e o espectáculo “So Happy in Paris?”, podem visitar o site oficial em www.sohappyinparis.com, ou se preferirem, ouvir a música de Michaël Canitrot na FG DJ Radio em www.radiofg.com.

segunda-feira, novembro 21, 2005

Hi Hotel






O Hotel Hi, situa-se em Nice (na Cote d'Azur, França) e é um "design hotel" comtemporâneo de luxo criado por Matali Crasset (antigo colaborador de Philippe Starck).
A editora F communications (de Laurent Garnier) organiza o "sound design" e a programação das "mix dj" de música electrónica que se pode escutar no Hi.
Há ainda neste espaço um restaurante biologico (a "Cantine Bio"), um espaço spa (hamman, massagem shiatsu, reflexogia, piscina) e uma sala de seminários.
Alex Kid, Aqua Bassino, Fabrice Lig, Frederic Galliano, Jory Hulkonen, Laurent Garnier ou Llorca, foram alguns dos dj's e produtores que já criaram, e irão criar, bandas sonoras para este hotel.

Geração W

A literacia digital "deve ser inscrita nas prioridades políticas e pedagógicas", porque o que está em causa "é algo de fundamental" para a sociedade e a economia.
A sugestão partiu de Manuel Pinto, docente na Universidade do Minho (UM), um dos participantes no seminário "Geração W - educação e media", que decorreu na Maia. Manuel Pinto, autor de «A Televisão no Quotidiano das Crianças», reconheceu que, por exemplo, descobriu a realidade dos blogues com os seus alunos, a geração da literacia digital "que está em vários lados ao mesmo tempo" e introduz novas palavras na língua. Com essa partilha, disse, redescobriu a sua condição de docente.
Afinal, o que é a geração W? O docente da UM traçou-lhe o perfil são os utilizadores da Internet, dos jogos electrónicos (que em volume de vendas já ultrapassam o cinema de Hollywood) e do telemóvel. No fundo, "uma geração conectada", embora isso não signifique que "comuniquem melhor do que nós".É também uma geração "(des)enganada", embalada no "canto da sereia dos poderes das tecnologias". "Despistada", porque carece das "grandes referências"; e "sem grande horizonte", a nível de emprego e "estabilidade afectiva".
Segundo Manuel Pinto, "há o risco cada vez maior da cultura digital cavar o fosso com a cultura escolar". Por isso, e como falava para uma plateia de professores, disse que é preciso "assumir o desafio do digital - nós também somos a geração W, mas por defeito".
Eduardo Cintra Torres, outro dos intervenientes no debate, promovido pela Direcção Regional de Educação do Norte, falou do peso da TV no quotidiano dos portugueses. O crítico de TV e media lembrou que as nossas crianças, em termos europeus, são as que mais horas passam à frente do ecrã, e que o televisor, lentamente, aparece em quase todas as divisões da casa. Aliás, em certas habitações, o número de televisores é superior aos moradores.
Para a directora da revista Notícias Magazine, Isabel Stilwell, é necessário encontrar alternativas para a geração W, porque o "mundo virtual" é insuficiente. A esses jovens, disse, devemos dar-lhes uma bússola", os valores "têm de ser recriados por eles". E lembrou que esta geração também lê, basta ver os índices de leitura.

quinta-feira, novembro 17, 2005

Zeric e o Parkour


Como é que um alentejano em Lisboa acaba a saltar prédios, moupis, caixotes do lixo... e tudo o mais que lhe aparece à frente? Chama-se José Gama (ou Zeric) e pratica parkour, um desporto com quinze anos e muitos acidentes a registar. Mas bonito de se ver e alucinante de fazer. Adrenalina urbana em estado puro, um misto de estratégia e esforço físico com espectáculo garantido. Estes meninos são os novos radicais urbanos, dão show e levam a sua prática muito a sério. Não há clubes ou professores, mas gente que se encontra em sites especializados, agendam encontros, discutem percursos e partilham habilidades. Esfolam as mãos como consequência mínima garantida. Encaram a cidade de uma nova forma e nem o betão os faz parar.
Saibam mais sobre este desporto urbano e também sobre José Gama, numa entrevista pela LeCool . [clica aqui]

quarta-feira, novembro 16, 2005

Fame: da tv para os teatros


Fame-O Musical , que surge após os êxitos alcançados pelo filme e pela série televisiva dos anos 80, centra a sua história á volta de uma série de alunos que estudam na New York High School of Performing Arts na 46th Street . Concebido e desenvolvido por David De Silva , argumento adaptado de José Fernandez, músicas de Steve Margoshes e letras de Jacques Levy, Fame o Musical conta uma história profunda e excitante acerca das paixões e dedicação partilhadas por um grupo de estudantes artisticamente dotados.
Pela 1ª vez em Portugal, o espectáculo vai estar no Coliseu do Porto de 25 a 27.Novembro.

Mais info em : fameomusical.com

World Press Photo 2005 - Fórum da Maia


A Fundação World Press Photo, sem fins lucrativos, nasceu nos Países Baixos com o principal objectivo de promover a liberdade de imprensa em todo o mundo, apoiando o fotojornalismo no desvendar e comunicar dos factos sem sujeição a qualquer tipo de censura.
Assim, baseada na liberalização informativa, a World Press Photo surge como uma chamada de atenção em prol de um mundo melhor através da publicação de inúmeras fotos sugestivas de assuntos controversos quer a nível político-económico, quer sócio-cultural.
Todos os anos é feita a eleição das fotografias que compõem cada edição da World Press Photo, cuja exposição está patente anualmente em 70 locais de 37 países de todo o mundo, por um júri internacional independente composto por 9 profissionais de jornais, agências noticiosas e revistas dos quatro cantos do globo.Esta exposição itinerante, única no género, resulta de um concurso anual de fotojornalismo e é subordinada a temas de interesse mundial, tais como: Guerras; Fome; Desastres Ecológicos; Conflitos Étnicos e Religiosos; Repressão e Opressão; Miséria Física e Psicológica.
Está aí a 4ª edição da World Press Photo.
As fotos do mundo para ver até ao dia 27 deste mês. O Fórum da Maia (Maia, distrito do Porto, para os mais "desnorteados"!)funciona de Domingo a Terça-feira das 15h às 19h. Aos sábados tem segundo horário entre as 21h e as 23h.
A entrada custa três euros.

Chicago House ou será Chicago garden? :)

Imaginem-se a dançar no meio de uma das maiores metrópoles do mundo ao som de DJs lendários que nada cobram e tudo fizeram pela música com paixão.
No ano passado, o Departamento de Assuntos Culturais de Chicago tornou esta utopia uma realidade.
Com uma série de eventos chamada Chicago Summer Dance, a cidade convidou grandes nomes como Bad Boy Bill, Frankie Knuckles e Derrick Carter para tocarem às Quartas-feiras, ao longo de dez semanas.
Foi no ano passado.O local era um jardim, poeticamente chamado Spirit Of Music Garden, e neste Verão o sucesso foi ainda mais longe: juntou a grandeza da música da cidade com a actualidade. Farley "Jackmaster" Funk, Marshall Jefferson, Ron Carroll tiveram a companhia de Superpitcher ou Ron Medina."Não há nenhum método particular para esta loucura", defende Brian Keigher, o coordenador do programa. Apesar do público ser maioritariamente de artistas e clubbers, Keigher acha que o evento serve como uma lição sobre a música da cidade para os curiosos. "Muitos dos cidadãos mais velhos dizem: 'Ah, eu oiço isto no ginásio, nunca pensei que fosse música de Chicago'", refere. "Só quero educar as massas com calma e dar o reconhecimento merecido aos DJs desta cidade na terra que é a deles".

in RedBullHomegroove.com

terça-feira, novembro 15, 2005

DMC Buzz Chart ( 04.Novembro ' 05)

1 NICK & DANNY CHATELAIN ‘Is Killing Me’ (Ovum)
2 PHILIPPE B VS TODD TERRY ‘Can You Feel It? (Can You Party)’ (Boss)
3 THE ROLLING STONES ‘Rain Fall Down’ (Virgin) Ashley Beedle remix
4 MEAT KATIE & ELITE FORCE ‘Nu-Tron / All Night Long’ (Adrift)
5 CHROMEO ‘Needy Girl’ (Back Yard)Paper Faces (aka Jacque La Cont)
6 KING UNIQUE ‘Flashing Lights / Curfew Time’ (Junior Boys Own)
7 SUPAFLY INC ‘Erotic City’ (Supafly)
8 RICHIE HAWTIN ‘The Tunnel / Twin Cities’ (Novamute)
9 BURNING DIVAZ ‘I’m Attracted To You’ (Instinct)
10 KINGS OF TOMORROW ‘6pm’ (Defected)

Worldwide Music Awards 2005

Um dos maiores divulgadores de boa música do nosso planeta, o dj Gilles Peterson, está a levar a cabo mais uma vez os prémios para os melhores temas, produtores, etc.
Os Worldwide Music Awards 2005 tem toda a informação disponiveis aqui.

A página de Gilles Peterson: http://www.bbc.co.uk/radio1/urban/peterson/

Lobo da Ponte


Verdade seja dita que já conhecia o trabalho do Ricardo Cruz, mas recentemente foi-me apresentado o sitio deste fotografo de Ponte de Sor no Olhares.com e continuei surpreendido pelo seu trabalho.
Aconselho uma visita a www.olhares.com/LobodaPonte

Kid Loco em Lisboa

O clube lisboeta Mercado ( na Rua das Taipas nº8) recebe dia 18 deste mês Kid Loco para uma sessão de djing. A 1º parte está a cargo de Ricardo Manaia + Jalex.
Mais informações em clubemercado.blogspot.com .
Para conhecerem o trabalho de Kid Loco: aqui

kidloco.com

segunda-feira, novembro 14, 2005

Vitalic em Portugal


No mês de Dezembro, o Lux, o Via Latina, e o Indústria, irão receber um dos artistas mais inovadores dos últimos anos. É francês, chama-se Pascal Arbez, e trouxe consigo uma nova vitalidade à música electrónica. Musicalmente assume uma personalidade à qual chama de Vitalic, e foi através dela que este produtor visionário deu-se a conhecer ao mundo no fim de 2001, com o lançamento de “Poney”, o seu primeiro EP. O verdadeiro reconhecimento por parte do grande público, surgiu com o lançamento de “OK Cowboy”, o seu primeiro álbum de originais, que presenteou o mundo musical com temas já bem conhecidos como “ La Rock 01” , “My friend Dario”, ou “Poney Part 1” , e “Poney Part 2” . Vitalic descreve este álbum como “uma mistura de música de dança, órgãos experimentais, e música francesa”.
“OK Cowboy” foi um álbum que demorou 3 anos a criar, e talvez por isso espelha uma maior maturidade musical por parte deste artista, mantendo ao mesmo tempo um nível de inovação que já o distingue.
Sendo assim, esta poderá ser a melhor oportunidade para ouvir Vitalic, que actua apenas e só em formato “live”. Quinta, dia 1 será no Lux, juntamente com os dj's Expander e Nelson Flip, no dia seguinte, desloca-se até Coimbra, para uma actuação no Via Latina, e no dia 3 de Dezembro, Vitalic, expõe as suas sonoridades no norte, mais especificamente no Indústria.

sexta-feira, novembro 11, 2005

King Britt em Portugal (actualização)

Atenção á mudança de local para o Norte, King Britt já não actua no Park Club mas Sim no Elitis Club em Paços de Ferreira. Mais info em heartandsoul.pt .

(clica no cartaz para aumentar)

Cinanima 2005

Festival Internacional de Cinema e Animação de Espinho

Toda a informação em: www.cinanima.pt

quinta-feira, novembro 10, 2005

Documentário Dances on Ecstasy

Terça-feira, 15 de Novembro, é noite de Lua Cheia. E qual é a melhor coisa para se fazer numa noite assim? Dançar! Chamar de olhos fechados, abstraídos do medo e do meio e centrados no Ser e no creio. Basta a música. O som guia os movimentos que se guiam a si próprios dentro de um mecanismo consciente na procura inconsciente da cura. A dança dos xamãs. Da chuva, dos orichas, da cura. Do trance. Sim, cura! O ritmo e a dança. A ciência e o misticismo. A dança sagrada. Lucidez emocional e mental. Êxtase impoluto. Uma viagem sensorial com mente. De olhos abertos e sem dançar mas sente. Um documentário do Spiritual Film Festival apresentado por Wilbert Alix. Terça que é Lua Cheia. E sem smiles nem táxis. Nem Padres Cura.
«Dances on Ecstasy», um documentário para ver, ouvir... e sentir no Tuatara (Rua do Centro Comercial, 27, 3º, Alvalade, Lisboa) com inicio às 21h30m com o custo de 7 euros.

Agradecimentos: Le Cool (edição de Lisboa #36)

Festival de BD do Porto


Actualizações diárias em: http://www.sibdp.com

quarta-feira, novembro 09, 2005

Mas o que é isto, sr. António Vitorino???



António Vitorino, o político que fez fama nos círculos europeus, afirmou à RTP que a culpa dos distúrbios em Paris eram das Rave parties. "As letras e as mensagens cultivam o ódio nessas festas", afirmou.
Será que o nosso político nunca ouviu falar do "Summer of Love" que originou este movimento? "Love" e ódio são da mesma família?
Os movimentos juvenis como causa de desestabilização social - depois do jazz, rock'n'roll, punk, hippies agora diz-se o mesmo das raves. Formas de expressão sociais e artísticas, muito opostas à falta de políticas de integração. A política que não percebe a cultura urbana.
in redbullhomegroove.com

Raquel Bulha em Coruche


A radialista da Antena 3, Raquel Bulha, vai estar presente no Espaço Clean (em Coruche) para a festa "Are you ready? " no Sábado, 12 de Novembro.

(clica no flyer para aumentar)

Lexicon Avenue em Rio Maior



6ª Feira, 18 de Novembro
Karma Discoteca em Rio Maior (Santarém)


(clica no flyer para aumentar)

terça-feira, novembro 08, 2005

King Britt em Portugal


King Britt apresenta-se em Portugal com 3 datas para sessão de djing e "live" com o projecto "Sister Gertrude Morgan Experience":

24 Novembro
Via Latina (Coimbra)

25 Novembro
Lux (Lisboa)

26 Novembro
Park Club (Vizela)

Kenny Dope em Portugal


Kenny Dope Gonzalez, dos Masters at Work, de volta a Portugal:

6ª Feira, 18 de Novembro na discoteca 4Ever (Santa Maria da Feira)

Louie Vega em Portugal


Little Loiue Vega, dos Masters at Work, está de volta ao nosso país:

Dia 12 Novembro no Karma Club ( em Santarém)
Dia 13 Novembro no Mare Alta (no Porto).

Dance Club - edição de Novembro


Clica na imagem para saberes mais sobre a nova DC

R!R é o melhor remédio!!!


Mais uma vez a Comed'in apresenta espectáculos internacionais com a genialidade e eficácia de grandes comediantes em forma de "one man show" e "one woman show", stand-up comedy e companhias de comédia visual. Todos brilhantes, com técnicas diferentes e discursos humorísticos únicos, passando da Música Clássica ao Rock, da greve dos transportes ao desporto, da praga dos "deveres de casa " "á (falta de) cultura massificada ".
R!R - Festival Internacional de Humor de Lisboa 2005,
de 2005/11/10 até 2005/11/13, em vários locais da cidade.
Mais info: aqui

sexta-feira, novembro 04, 2005

Numero Festival


Número Festival - 6º Festival Internacional de Multimédia, Filme e Música de Lisboa.
Música electrónica, cinema, artes multimédia, cruzamentos vistos e desejados - é este o cenário para mais uma edição do Número. Este ano, o tema "Jogos Neurológicos" é o diapasão para as várias actividades, que se distribuem por Lisboa a partir de 4 de Novembro.
O primeiro dia é dedicado à entrega de prémios promovidos pelo festival e pelo ICAM. A música começa aqui, no Fórum Lisboa, com um concerto multimédia que junta a voz de Vera Mantero às guitarras portuguesas mutantes de Vitor Rua e Nuno Rebelo (que também contribui com vídeo), para uma interpretação subversiva de poemas de Herberto Helder. De 5 a 7 de Novembro, decorrem no mesmo local os ciclos "Ler Cinema" e "Arte e Ensaio". De 8 a 11, o Teatro Taborda acolhe performances multimédia.
Quando o festival fechar a cortina, no dia 13, terão passado pelos palcos nomes como Jay Jay Johanson, Schneider TM, Rechenzentrum, Opiate, Mécanosphère e Dj Rupture, entre muitos outros artistas de diversas esferas criativas.


Mais info: mumerofestival.com