terça-feira, agosto 11, 2009

Jay Tripwire e Babak Shayan

Jay Tripwire "4th density"

Fugindo um pouco à regra dos discos de tech house, Jay Tripwire traz neste seu novo disco uma lufada de ar fresco fazendo-o com produção "suave" e bem trabalhada ao género de editoras como a Drumpoet Community ou Deep Vibes.
O anterior álbum de Tripwire estava cheio de temas para as pistas de dança, neste "4th density" o apelo ao dancefloor mantém-se, só que desta vez menos directo e mais dark encandeiam-se perfeitamente no alinhamento, muito bem produzidas, com espaço suficiente para os sons evoluirem naturalmente e sem se atrapalharem. No tema de abertura, "visual spectrum", é a linha de baixo palpitante e forte que domina, "save each other" segue a mesma linha mas com vocais de Marie Tweek a acrescentarem um pouco de nostalgia ao tema (e ao disco) apesar de ter uma vibração sólida este é um tema, talvez, mais apropriado para ouvir na viagem de regresso a casa num dia de chuva. "Metropolis of Light" e "Visions", sonhadores e suficientemente negros para funcionarem na pista de dança. A parte mais atmosférica do disco surge com "next level", um tema montado numa estrutura ritmica em mudança ao longo dos seus quase 8 minutos, com sintetizadores inspirados no techno de Detroit e com vários sons orgânicos e tribais. É o saxofone que domina em "time is eternal" num ritmo tech house e dubby sem grandes novidades mas suficientemente eficaz. A mesma formula ritmica repete-se em "matter ... spirit". "Essence" tem, sem dúvida, um apelo ao dancefloor onde se destaca a linha de baixo e o piano. "Do me this way" é um tema deep house com linhas de baixo acid e para completar o ambiente a voz de Alexander East. Até ao final do disco ainda se podem ouvir mais 3 temas a completar a solidez deste disco que merece uma audição num grande sistema de som ou nuns auscultadores de boa qualidade.


> posto de escuta <






Babak Shayan "my life"

Babak Shayan é mais conhecido por ser uma das metades dos Soda Inc e pela sua editora Shayan Music o que faz dele um dos nomes mais sólidos na cena tech house alemã.
Agora, depois de vários máxis lançados em vinil e mais de 20 compilações e albúns, Babak Shayan apresenta o seu primeiro disco a solo que é consequentemente o seu trabalho mais pessoal: "My Life". Um disco de tech house por onde espreitam as raízes iranianas e orientais de Babak, que muito novo foi viver para a Alemanha embora toda a sua familia ainda viva no Iraque, não admira portatnto que surgam temas como "azdi nist" (que em português significa "sem liberdade") que se enquadra na situação politica iraniana actual.
Mais uma boa edição da alemã Plastic City.


>posto de escuta<

Sem comentários: